quinta-feira, 12 de junho de 2014

Ele

Sentia sempre aquela perna fria e interrogava-se do que seria, maleita da idade que teimava em avançar, nunca imaginara que pudesse ser a sua alma que iniciara o seu processo de entorpecimento. Aqui como em outro lugar, era igual, havia noite, havia sol, havia um passado difícil de suportar e mesmo assim toda  a sua vida ficara para trás. Quisera queimar as lembranças, colocando achas de mimos presentes, encontrar um alívio para sua perna resfriada, que tanto lhe impedia de avançar. Aqui como em outro lugar, era igual, havia noite, havia sol, havia melancolia e solidão. Acreditara sempre que o retorno da felicidade estaria em outro lugar mas não...aqui ou ali, era igual.

8 comentários:

  1. Respostas
    1. Há quem morre lentamente e nem dá conta. :)

      Eliminar
  2. Adorei:)) o frio instala-se até nos dias mais quentes :)

    ResponderEliminar
  3. Há coisas que por mais que queiramos (e queremos muito) não se podem combater.
    Aceitar é melhor.

    Um beijo *

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Bela, para aceitar é preciso que tenhamos consciência disso...

      Eliminar
  4. Não adianta procurar a felicidade noutro lugar, quando a temos mesmo à frente dos olhos e não a conseguimos ver. :\

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. JS deve ser por estar dentro de nós que fica mais difícil "vasculha-la"...:)))

      Eliminar